Home Trabalho e bem-estar

Dicas para se prevenir contra novo ataque hacker internacional

Dicas para se prevenir contra novo ataque hacker internacional

Nas últimas semanas, o mundo todo foi surpreendido por um ataque hacker do tipo “ransomware“ orquestrado internacionalmente. Com o apelido de WannaCry, o vírus bloqueou o acesso aos dados e cobrava um "resgate" por eles. Mais de 70 países foram afetados. No Brasil, alguns sites, como do INSS e do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram retirados do ar de forma preventiva. Mas nenhum ataque em larga escala foi registrado por aqui.

A estratégia usada pelos hackers foi explorar uma vulnerabilidade do Windows. Em março deste ano, a Microsoft tinha disponibilizado uma atualização de segurança que protegia contra este ataque. O problema é que algumas empresas não atualizaram o sistema operacional.

Veja algumas dicas de como se prevenir contra um novo ataque
- A primeira medida é atualizar o Windows imediatamente – seja um usuário doméstico ou de empresas. Não confie em atualizações oferecidas por alguém que não seja a própria Microsoft. Desconfie de anúncios na internet e não clique em mensagens e links que eventualmente cheguem por e-mail. Não esqueça de instalar um antivírus e de sempre atualizá-lo.

- Faça o back-up de seus arquivos. O maior dano que esse tipo de ataque pode causar é a perda de arquivos. Por isso, a melhor forma de se prevenir é salvar uma cópia deles em um hard drive (HD) que não esteja conectado à internet. Geralmente, as empresas salvam cópias dos dados em servidores externos para protegê-los de um ataque à rede.

- Suspeite de e-mails, websites e aplicativos. Para atacar os documentos de uma máquina, o vírus do tipo “ransomware” precisa ser instalado pelo próprio usuário. A maneira mais comum de fazer com que a vítima instale o software é por meio de e-mails, anúncios maliciosos em sites e aplicativos e programas questionáveis. Não abra e-mails nem sites que não sejam seguros. Não clique em links suspeitos, nem faça download de aplicativos que não sejam verificados por lojas oficiais.

- Nunca pague aos hackers. Especialistas dizem que o ideal é não pagar o resgate exigido pelos hackers. Além de encorajar novos ataques, não há garantia de que os arquivos serão recuperados.

- Quem foi atingido pelo vírus pode contar com a ajuda de ferramentas gratuitas de remoção. Além de eliminar o vírus, elas decifram os arquivos que foram criptografados. Veja algumas delas: Alcatraz Locker, Apocalypse, BadBlock, Bart, Crypt888, CrySis, Globe, Legion, NoobCrypt e SZFLocker.

Foto: Shutterstock.com